Vacina Russa para Covid-19 induziu resposta imune

Reprodução: O dia

O presidente Vladimir Putin anunciou recentemente que uma equipe de cientistas russos desenvolveu uma vacina contra a COVID-19 e que ela foi aprovada para uso pelos reguladores, após resposta imune – pelo menos, na Rússia.

No entanto, o anúncio causou consternação entre cientistas e médicos no resto do mundo, pois os testes em humanos para a vacina – apelidada de Sputnik V – haviam começado apenas alguns meses antes do anúncio de Putin.

Os resultados da fase um e dois dos testes em humanos desta vacina acabam de ser publicados no The Lancet . Então, o que aprendemos?

Primeiro, vamos ver que tipo de vacina é essa. A “plataforma” da vacina usada neste estudo usou adenovírus. Esses são vírus do resfriado comum, chamados Ad5 e Ad26, são protegidos e são incapazes de crescer no corpo.

Eles funcionam apenas para entregar o código genético de uma das novas proteínas do coronavírus, chamada proteína spike, em uma célula.

Ao injetar as pessoas com esses adenovírus modificados, o sistema imunológico é estimulado a responder à proteína spike no momento da imunização e, com sorte, responder por muitos anos no futuro, se a pessoa imunizada for exposta ao coronavírus causador de COVID, conhecido como SARS-CoV-2.


A plataforma de vacina que os russos estão usando não é nova. Algumas das principais vacinas COVID-19 usam adenovírus, incluindo a vacina da Universidade de Oxford e uma vacina Ad26 desenvolvida por Johnson e Johnson .

Depois dos testes bem-sucedidos em animais, ambos agora estão sendo testados em humanos. A CanSino Biologicals, empresa chinesa, também mostrou que sua vacina Ad5 é segura e induz imunidade contra o coronavírus em humanos.


No entanto, o grupo russo demonstrou que sua preparação estável da vacina funciona da mesma forma que sua preparação líquida congelada. Isso é importante para o envio e implantação de uma vacina.


No entanto, o artigo do Lancet descreve dados de segurança aceitáveis, mesmo com a alta dose usada. Esses resultados de segurança não são inesperados, pois a segurança de várias vacinas baseadas em adenovírus para diferentes doenças foi demonstrada em pesquisas anteriores.


Portanto, é seguro, pelo menos em pessoas saudáveis ​​com idade entre 18 e 60 anos, mas funciona – protege contra COVID-19?

COVID-19, quando estaremos imune ?


O grupo russo mostrou que sua vacina induz altos níveis de anticorpos que podem se ligar à proteína spike.

Veja também:

Injustiça: Padrasto que arremessou criança do 4º andar, foi preso e liberado

Mas, uma medida mais importante é o nível de anticorpos que são funcionais. Ou seja, os anticorpos podem prevenir ou neutralizar a infecção de um vírus em uma célula?


Enfim, os níveis de anticorpos neutralizantes foram bastante baixos neste estudo, em comparação com outros ensaios de vacinas publicados. O mesmo ocorreu com as respostas das células T (o outro braço da resposta adaptativa do sistema imunológico).

Estaremos imune de verdade ?


Uma interpretação disso é que essas vacinas não induzem uma boa proteção neutralizante. Alternativamente, os métodos usados ​​para medir essas respostas imunes podem não ter sido ideais.

Na ausência de padrões de referência internacionais, não podemos dizer se esta vacina é melhor ou pior em comparação com outras.


Por fim, crucialmente, como acontece com outros ensaios clínicos da vacina COVID-19, não sabemos se esse nível de neutralização é suficiente para proteger da infecção e por quanto tempo esses anticorpos permanecem no sangue.

Fonte: G1